EconomiaFinanças

Israel limita uso de dinheiro físico em meio a guerra ao dinheiro

Este texto foi publicado originalmente em Schiff Gold, e é de autoria do economista Peter Schiff.

Entrou em vigor uma lei israelense que proíbe o uso de dinheiro em transações comerciais acima de 6.000 NIS (US$ 1.700). As transações privadas em dinheiro não podem exceder 15.000 NIS (US$ 4.360). Esta é mais uma escalada na “guerra ao dinheiro”.

Qualquer transação acima desses limites deve ser feita via transferência digital ou cartão de débito.

Israel impôs limites às transações em dinheiro em 2018. De acordo com a lei original, as transações comerciais em dinheiro tinham que ser inferiores a 11.000 NIS (US$ 3.200).

“Queremos que o público reduza o uso de dinheiro vivo”, disse um funcionário da Autoridade Tributária de Israel. 

“O objetivo é reduzir a fluidez do caixa no mercado, principalmente porque as organizações criminosas tendem a depender do caixa. Ao limitar o uso dele, a atividade criminosa é muito mais difícil de realizar.”

Funcionários do governo que defendem limites de dinheiro sempre os consideram uma ferramenta de combate ao crime. Eles também elogiam a conveniência das transações digitais. Mas não será muito conveniente para os 1 milhão de cidadãos israelenses sem contas bancárias. Mas essas não são as verdadeiras razões para a guerra ao dinheiro. É realmente sobre o controle do governo.

A eliminação do dinheiro cria o potencial para o governo rastrear, tributar e até controlar todas as transações monetárias, e tornaria ainda mais fácil para os bancos centrais se envolverem em políticas monetárias manipuladoras, como taxas de juros negativas.

Além de limitar as transações em dinheiro, muitos governos estão brincando com a ideia de moeda digital. No ano passado, os chineses lançaram o yuan digital e, no início deste ano, o Federal Reserve divulgou um “documento de discussão” examinando os prós e contras de um potencial dólar digital do banco central dos EUA.

As ramificações

Imagine se não houvesse dinheiro. Seria impossível esconder até mesmo a menor 

transação dos olhos do governo. Algo tão simples quanto sua viagem matinal ao Starbucks não seria segredo para funcionários do governo. Funcionários do governo podem até ter o poder de “desligar” sua capacidade de comprar ou vender.

Como a Bloomberg  colocou em um artigo publicado quando a China lançou seu programa piloto de yuan digital, a moeda digital “oferece às autoridades chinesas um grau de controle nunca possível com dinheiro físico”.

O economista Thorsten Polleit delineou o potencial para o controle governamental do tipo Big Brother com o advento do euro digital em um artigo publicado pelo Mises Wire. Como ele disse, “o caminho para se tornar um regime de estado de vigilância acelerará consideravelmente” se e quando uma moeda digital for emitida.

Governos de todo o mundo travaram silenciosamente uma guerra contra o dinheiro por anos. Em 2017,  o FMI publicou um artigo assustador  oferecendo aos governos sugestões sobre como avançar em direção a uma sociedade sem dinheiro, mesmo diante de forte oposição pública.

Israel não é o primeiro país a tentar limitar o uso de dinheiro. Em maio de 2016, o Banco Central Europeu anunciou que deixaria de produzir e emitir notas de 500 euros até o final de 2018. Pouco antes do anúncio da UE, um ex-assessor econômico de  Obama/ex-secretário do Tesouro lançou a ideia de eliminar a nota de US$ 100 nos EUA.

Boletim BTC

Boletim BTC é o primeiro portal brasileiro focado 100% em Bitcoin (BTC).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo