BitcoinEconomia

“Dormiram no volante”, diz Paulo Guedes sobre inflação, e diz que quer impostos sobre o Bitcoin

Durante uma palestra em um evento nesta quinta-feira, o Ministro da Economia Paulo Guedes fez comentários sobre o Bitcoin (BTC) e a inflação global. Segundo o ministro, o Governo Federal pode estar trabalhando em novos tributos para o setor.

Ao falar sobre o aumento generalizado dos preços ao consumidor, Guedes afirmou que os Bancos Centrais ao redor do mundo “dormiram no volante”. A analogia faz sentido por um lado visto o estrago que a inflação global está provocando, especialmente para os mais pobres.

Por outro lado, uma analogia que faria mais sentido, é que os Bancos Centrais jogaram o carro contra o penhasco. Como relata o Livecoins, a base monetária do Real cresceu quase 50% nos últimos 12 meses.

Como qualquer mercadoria ou commodity, cuja precificação é diretamente ligada a sua oferta circulante, o dinheiro se desvaloriza proporcionalmente ao total criado em relação à oferta já existente.

Em outras palavras, imprimir dinheiro provoca aumento de preços.

Segundo Guedes, “Banco Central do Brasil tomou um café e está vivo contra inflação”, mas não deu detalhes sobre qualquer medida concreta que esteja sendo tomada.

O ministro do governo Bolsonaro deu a entender que sua equipe está trabalhando para criar mais impostos para o Bitcoin, a maior rede monetária descentralizada do mundo.

“Eu acho que nós estamos entrando em um mundo digital, cada vez mais. Então, os abusos que sejam cometidos e as transações sejam feitas, seja bitcoins ou aquilo outro, vai aparecer o DigiTAX aí já já, para equalizar o jogo.

Tem países que estão pensando em colocar um imposto muito alto no Bitcoin logo de cara, cobrando imposto antes. Nosso time está trabalhando nisso, reconhecemos que há uma dimensão digital que vai escapar aos controles convencionais, mas isso nos preocupa mesmo.”

O bitcoin é o único ativo líquido com oferta inelástica. E apesar da sua volatilidade neste momento da história, o criptoativo pode se tornar a base de uma economia com moeda forte e deflação de preços, com produtos e serviços se tornando sistematicamente mais baratos.

Estamos no Facebook, Twitter e Instagram.

Leia mais:

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo