BitcoinFinanças

Projeto Praia Bitcoin Brasil distribui BTC para alunos em escola municipal

O projeto social Praia Bitcoin Brasil realizou a distribuição de 0,1 BTC para alunos e professores de uma escola municipal na cidade litorânea de Jericoacoara, no interior do estado do Ceará.

Os ativos distribuídos foram provenientes de uma doação de 10 milhões de satoshis do projeto Bitcoin Beach de El Salvador. No total, 408 carteiras de papel contendo 1000 satoshis foram entregues.

O projeto teve como objetivo principal espalhar conhecimento sobre o Bitcoin. Junto com os satoshis, foi entregue aos alunos também uma camiseta, uma garrafa, um cofrinho de moedas e informações básicas sobre a utilização do Bitcoin.

Confira um vídeo publicado no Twitter oficial do projeto:

Fernando Motolese, líder da iniciativa, comentou em entrevista exclusiva para o Boletim Bitcoin sobre o projeto:

“A bibliotecária da escola me comunicou que os computadores da sala de informática estavam desativados há 2 anos. Então, eu sou técnico em informática […] aí eu falei com o diretor e falei para deixar arrecadar fundos para consertar os computadores da escola.

[…] Aí a gente iniciou uma aproximação. Eu coloquei na internet que eu precisava de recursos para consertar os computadores. Isso abriu uma possibilidade para gente se aproximar da escola. Então o pessoal da Bitcoin Beach doou 0.1 bitcoin para gente. Então com essa doação de 0.1 bitcoin que a gente recebeu da Bitcoin Beach a gente fez essa ativação, que consistiu em produzir 408 carteiras de papel.”

Motolese destacou que as camisetas e produtos comprados para o projeto foram pagos em bitcoin:

A produção dessas camisetas foram pagas em bitcoin. Isso abriu a possibilidade de uma parceria que está desde o começo do projeto […] E a partir dessa parceria a gente pretende lançar alguns produtos da Praia Bitcoin feitos localmente para serem vendidos e financiarem aí uma parte do projeto 

Projeto Praia Bitcoin Brasil

O projeto Praia Bitcoin Brasil se iniciou em setembro de 2021 inspirado na adoção do criptoativo em El Salvador, que foi impulsionada pelo projeto Praia Bitcoin.

Inicialmente, o projeto teve como objetivo ajudar comerciantes a adotar o bitcoin como um método de pagamento, como destaca Fernando Motolese:

“O projeto surgiu em 7 de setembro de 2021. Eu vi o que estava acontecendo em El Zonte que isso tinha dado origem a El Salvador adotar o bitcoin como moeda oficial. Aí eu comecei a replicar aqui em Jeriquaquara, até que em maio deste ano a gente se aproximou da escola.

No início a gente ajudou os comerciantes a aceitar bitcoin como forma de pagamento, até a gente evoluir para essa aproximação educacional para ajudá-los a aprender a junta dinheiro, a usar o Bitcoin como uma ferramenta de inclusão financeira.

Uma das nossas grandes iniciativas foi compartilhar nossa implementação de Lighning no www.github.com/praiabitcoin/bancobitcoin

Você pode ver lá, todos os códigos que a gente usa, como o que a gente fez aqui para usar a Lightning e também para ter uma implementação soberana de Bitcoin para servir a nossa comunidade

Conforme destacado, o projeto tem como objetivo ajudar comunidades locais e comerciantes a se integrarem ao Bitcoin:

“E junto com todas essas implementações, eu estou escrevendo um livro, que é o: Economia Circular Padrão Bitcoin, que tem como objetivo ajudar as comunidades a iniciarem essa jornada de replicar o experimento da Bitcoin Beach no modelo brasileiro, que é um pouco diferente. E nesse livro eu pretendo ensinar as comunidades a replicarem a nossa iniciativa. “

Focos de hiperbitconização

Através de iniciativas como o Praia Bitcoin, o conhecimento e uso do criptoativo em comunidades locais e circulares é impulsionado, criando pequenos focos de hiperbitconização. Estas iniciativas têm o potencial de trazer enormes benefícios a longo prazo para essas regiões, conforme o criptoativo se aprecia e se estabelece como uma reserva de valor soberana.

A Lightning Network, rede de segunda camada do Bitcoin, está desempenhando um papel fundamental na adoção do BTC como método de pagamento. A rede permite a transferência rápida e com baixo custo de sats, desbloqueando o potencial do criptoativo como um método eficiente para trocas no dia a dia.

A aceitação direta de bitcoin nos comércios tem o potencial de aumentar a liquidez geral do criptoativo, além de diminuir potencialmente a volatilidade, visto não ser necessário converter o ativo em moeda fiduciária para liquidar compras.

No entanto, é importante destacar que o BTC deve se estabelecer primeiro como reserva de valor e posteriormente como um dinheiro corrente, visto que os indivíduos tendem a guardar o dinheiro forte e gastar o dinheiro fraco, fenômeno que é explicado pela Lei de Gresham.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo