Economia

O colapso de Roma e a diluição da moeda

No seu auge, o Império Romano tinha 130 milhões de pessoas em um espaço de 1,5 milhão de milhas quadradas. Roma havia conquistado grande parte do mundo conhecido. O Império construiu 50.000 milhas de estradas, bem como muitos aquedutos, anfiteatros e outras obras que ainda estão em uso hoje.

Este texto é uma tradução do site Visual Capitalist.

Nosso alfabeto, calendário, línguas, literatura e arquitetura tomam emprestado muito dos romanos. Mesmo os conceitos de justiça romana ainda permanecem vivos, como ser “inocente até que se prove o contrário”.

Como um império tão poderoso pode entrar em colapso?

A Economia Romana

O comércio era vital para Roma. Foi o comércio que permitiu a importação de uma grande variedade de mercadorias para suas fronteiras: carne bovina, grãos, vidraria, ferro, chumbo, couro, mármore, azeite, perfumes, tintura roxa, seda, prata, especiarias, madeira, estanho e vinho.

O comércio gerou grande riqueza para os cidadãos de Roma. No entanto, a própria cidade de Roma tinha apenas 1 milhão de pessoas, e os custos continuaram aumentando à medida que o império se tornava maior.

Os custos administrativos, logísticos e militares continuaram aumentando, e o Império encontrou novas maneiras criativas de pagar suas contas.

Juntamente com outros fatores, isso levou à hiperinflação, uma economia fraturada, centralização do comércio, impostos pesados ​​e uma crise financeira que paralisou Roma.

Degradação romana

A principal moeda de prata usada durante os primeiros 220 anos do império foi o denário.

Esta moeda, entre o tamanho de um níquel moderno e uma moeda de dez centavos, valia aproximadamente o salário de um dia para um trabalhador qualificado ou artesão. Durante os primeiros dias do Império, essas moedas eram de alta pureza, contendo cerca de 4,5 gramas de prata pura.

No entanto, com um suprimento finito de prata e ouro entrando no império, os gastos romanos eram limitados pela quantidade de denários que podiam ser cunhados.

Isso tornou desafiador o financiamento dos projetos grandiosos dos imperadores. Como pagar a mais nova guerra, fonte termal, palácio ou circo?

Oficiais romanos encontraram uma maneira de contornar isso. Ao diminuir a pureza de sua cunhagem, eles conseguiram fazer mais moedas de “prata” com o mesmo valor de face. Com mais moedas em circulação, o governo poderia gastar mais. E assim, a pureza da moeda caiu ao longo dos anos.

Na época de Marco Aurélio, o denário possuía apenas cerca de 75% de prata. Caracalla tentou um método diferente de diluição. Ele introduziu o “duplo denário”, que valia 2x o denário em valor de face. No entanto, tinha apenas o peso de 1,5 denário. Na época de Gallienus, as moedas tinham apenas 5% de prata. Cada moeda era um núcleo de bronze com uma fina camada de prata. O brilho rapidamente desapareceu e revelou a má qualidade por baixo.

As consequências

Os efeitos reais da degradação levaram tempo para se materializar.

Colocar mais moedas de menor qualidade em circulação não ajudou a aumentar a prosperidade – apenas transferiu a riqueza das pessoas e significou que mais moedas eram necessárias para pagar bens e serviços.

Às vezes, havia uma inflação descontrolada no império. Por exemplo, os soldados exigiam salários muito mais altos à medida que a qualidade das moedas diminuía.

“Ninguém deve ter dinheiro além de mim, para que eu possa entregá-lo aos soldados.” – Caracalla, que aumentou o salário dos soldados em 50% perto de 210 dC.

Em 265 dC, quando havia apenas 0,5% de prata em um denário, os preços dispararam 1.000% em todo o Império Romano.

Apenas mercenários bárbaros deveriam ser pagos em ouro.

Os efeitos

Com altos custos logísticos e administrativos e sem metais preciosos para saquear dos inimigos, os romanos cobravam cada vez mais impostos contra o povo para sustentar o Império.

Hiperinflação, impostos crescentes e dinheiro sem valor criaram um cenário que dissolveu grande parte do comércio de Roma. A economia estava paralisada.

No final do século III, qualquer comércio que restasse era principalmente local, usando métodos de troca ineficientes.

O colapso

Durante a crise do século III (235-284 dC), pode ter havido mais de 50 imperadores. A maioria deles foi assassinado ou morto em batalha.

O império estava em um vale-tudo e se dividiu em três estados separados.

Constantes guerras civis significavam que as fronteiras do Império eram vulneráveis. As redes comerciais foram desintegradas e tais atividades tornaram-se muito perigosas.

As invasões bárbaras vinham de todas as direções. A peste era desenfreada. E assim o Império Romano do Ocidente deixaria de existir em 476 dC

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo