BitcoinEconomiaFinançasMundo

Tiradentes, o herói que morreu para proteger o ouro

Entenda como Tiradentes lutou para impedir os crescentes impostos sobre o ouro cobrados pela Coroa Portuguesa, e qual a sua relação com o Bitcoin (BTC).

Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, nasceu em 1746 na Capitania de Minas Gerais. Com o falecimento dos seus pais, precisou trabalhar desde cedo em várias atividades, e atuou como dentista amador, o que lhe rendeu o apelido de “Tiradentes”.

Tiradentes alcançou a estabilidade financeira trabalhando no exército, onde alcançou o cargo de Alferes, sendo responsável pela cavalaria imperial.

O ouro e a economia brasileira

O metal precioso, que vem sendo utilizado há milênios como uma reserva de valor soberana, desempenhou um papel fundamental na economia brasileira a partir do século XVI. A Capitania de Minas Gerais, que hoje se tornou o estado de mesmo nome, foi durante séculos um grande pólo mundial para a extração de ouro.

A exploração do ouro foi tamanha na América Latina que isso causou uma inflação em toda a Europa devido ao aumento da base monetária do metal.

O Brasil na época era dominado pela Coroa Portuguesa, que cobrava um imposto sobre o ouro de 20%, equivalente a 1 quinto do valor total minerado. O ouro cujo imposto já havia sido pago era então marcado com um número de série e um selo da Coroa Portuguesa.

Ouro quintado
Ouro Quintado – Fonte: Tripadvisor.

Dessa forma, apenas o ouro quintado poderia entrar em circulação na economia e ser utilizado para comprar bens e serviços.

Esse imposto foi o responsável por criar a expressão “quinto dos infernos”. Além disso, o termo “santo do pau oco”, que significa alguém falso, se refere a estátuas de santos que tinham um fundo oco para esconder o ouro não quintado.

Inconfidência Mineira

As ideias republicanas começaram a surgir no Brasil, movimento muito influenciado por filhos de aristocratas que iam estudar em Portugal e no restante da Europa. Apesar da falta de ensino formal, Tiradentes era um republicano convicto adepto das ideias iluministas. 

Foi então que em 1788 uma conspiração contra Coroa Portuguesa começou a surgir entre a aristocracia de Minas Gerais, movimento que ficou conhecido como Inconfidência Mineira.

A revolta das elites estava principalmente ligada com os crescentes impostos sobre o ouro minerado na região. O movimento tinha como objetivo transformar a Capitania de Minas Gerais em uma República, libertando o estado do domínio português.

O movimento, no entanto, foi denunciado por Joaquim Silvério, que delatou a revolta ao Império de Portugal em troca de perdão por suas dívidas. A denúncia provocou a prisão de todos os envolvidos, incluindo Tiradentes.

Segundo historiadores, todos os envolvidos negaram participação no movimento, com exceção de Tiradentes, que manteve sua convicção durante o julgamento, que durou três anos.

A sentença do julgamento estabelecia pena de morte para 10 envolvidos. No entanto, um intermédio da Rainha D. Maria I concedeu perdão a todos, exceto para Tiradentes.

Tiradentes foi então enforcado em 21 de abril de 1792, esquartejado em 4 partes, que foram espalhadas pela cidade de Ouro Preto, e sua cabeça exibida na praça da cidade, como forma para intimidar e evitar novas revoltas contra Portugal.

A imagem de Tiradentes foi esquecida logo após a sua morte, sendo lembrado como um herói nacional somente depois da Proclamação da República em 1889.

Tiradentes e o Bitcoin

A Inconfidência Mineira e a revolta de Tiradentes foram motivadas pela senhoriagem, isto é, o imposto ou taxa cobrado por um governo sobre a emissão ou circulação da moeda. Na época, um imposto único de 20% era cobrado por cada barra ou moeda de ouro em circulação.

Este valor, no entanto, é muito menor se comparado com o atual imposto inflacionário cobrado no Brasil e na maioria dos países ao redor do mundo.

Como destacado por Renato Amoedo, co-autor do livro Bitcoin Red Pill, o principal tributo do governo de muitos países atualmente é a desvalorização do dinheiro causado pelo aumento da base monetária:

“É porque bitcoin não é investimento, bitcoin é poupança. As pessoas acreditam que tem que aumentar o número para aumentar a riqueza porque eles vivem em um mundo de fiat. As pessoas vivem em um mundo onde vale a pena ser vagabundo, o dinheiro é de mentira e ele é diluído.

O principal tributo do governo não são os impostos, é ele ficar imprimindo dinheiro para desvalorizar o dinheiro que você guardou. Aí ele imprime 20% mais reais, te dá 5%, você acha que lucrou e ainda tem que pagar imposto”.

No último século, o Brasil experienciou severos momentos de alta inflação e hiperinflação, com o governo inundando os mercados com dinheiro sem lastro para arcar com os seus elevados custos.

Mesmo após a implantação do Plano Real em 1994, que pôs fim à hiperinflação, a moeda brasileira segue se enfraquecendo constantemente, à medida que o estado brasileiro continua com déficits e dívidas crescentes.

Ironicamente, vivemos um ambiente de exploração monetária muitas vezes pior do que na época da Coroa Portuguesa, algo que provavelmente provocaria ainda mais a revolta de Tiradentes.

De maneira análoga, o mundo vive hoje uma Corrida do Bitcoin, o ouro digital do século XXI. Mas diferente do ouro analógico, o criptoativo é muito mais imune e resistente a impostos, controles de capital, expropriações e confiscos.

Isto torna o bitcoin uma alternativa superior ao ouro para proteção contra as elites estabelecidas, bem como uma reserva de valor soberana, que dá ao indivíduo a possibilidade de declarar sua independência financeira.

A invenção de Satoshi Nakamoto está proporcionando uma das revoluções mais pacíficas da história. Através da adoção de um dinheiro forte como principal ativo de poupança e reserva de valor, os governos perdem a sua capacidade de cobrar impostos sobre a moeda.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo