BitcoinEconomiaMundo

Cidade da Guatemala limpa lago local usando mineradores de Bitcoin

Uma economia circular de Bitcoin da Guatemala conhecida como “Bitcoin Lake” está aproveitando os ASICs de Bitcoin para limpar o Lago Atitlán, gerando renda para a comunidade.

Como o fundador do Bitcoin Lake, Patrick Melder, explicou, o projeto de mineração “Kaboom” está reaproveitando óleo de cozinha usado para ajudar a minerar Bitcoin, em vez de poluir o meio ambiente local.

Como Melder disse à Bitcoin Magazine, o projeto é uma continuação de tentativas anteriores de limpar o lago que acabaram sendo caras e mal sucedidas.

“Nos últimos cinco anos, um grande esforço para limpar o lago, que custou mais de US$ 300 milhões, falhou porque era muito complexo, com tantas partes interessadas que não conseguiam concordar com uma solução”, acrescentou.

Por outro lado, o Bitcoin Lake adotou uma abordagem de baixo para cima para a sustentabilidade ecológica.

O projeto envolve o reaproveitamento de óleo de cozinha usado para minerar Bitcoin, que de outra forma seria jogado na rua ou no aterro que ficava acima do Lago Atitlán.

“De qualquer forma, ele encontraria o caminho para a bacia hidrográfica e para o lago”, disse Melder.

Por contraste. embora o processo de mineração produza dióxido de carbono, reduz a contaminação do lago.

Confira um vídeo do projeto:

O fundador espera popularizar a iniciativa nas comunidades vizinhas à medida que percebem que podem limpar o meio ambiente de forma viável e lucrativa.

Nos Estados Unidos, as preocupações com o impacto negativo da mineração de Bitcoin no meio ambiente ainda são comuns entre os reguladores. No entanto, vários relatórios delinearam maneiras de ajudar a curar o meio ambiente, como queima gás natural em excesso.

projeto mais amplo “Bitcoin Lake” de Melder – do qual “Kaboom” faz parte – tem três objetivos: limpar o lago, educar a comunidade sobre Bitcoin e criar uma economia circular de Bitcoin. Isso inclui disseminar a adoção do Bitcoin como reserva de valor, meio de troca e unidade de conta.

“A economia circular verdadeiramente virtuosa do #Bitcoin é usar todas as formas de energia desperdiçada para minerar BTC e proteger a rede. No processo – distribuindo renda DE VOLTA À COMUNIDADE”, twittou Bitcoin Lake em 12 de setembro.

O projeto foi inspirado na Bitcoin Beach de El Salvador, onde várias iniciativas amigáveis ​​ao Bitcoin se estabeleceram. No entanto, ao contrário do exemplo salvadorenho, o Bitcoin Lake não tinha grandes doações para iniciar suas operações. A mineração, no entanto, está ajudando a colocar o Bitcoin na economia.

Em relação à educação, o projeto já tem material relacionado ao Bitcoin no centro educacional local. Desde janeiro, as crianças da região vêm aprendendo conceitos básicos como ‘o que é inflação’ e até ‘o que é dinheiro’.

Encontros educativos para adultos, empresários e lideranças de comunidades indígenas também estão presentes. No geral, a iniciativa visa inspirar a adoção natural por meio da educação, em vez da coerção.

“Desde que começamos em janeiro deste ano, integramos mais de 60 empresas em Panajachel e nos arredores, e na Guatemala como um todo temos cerca de 200 empresas que aceitamos bitcoin”, explicou Melder.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo