BitcoinCriptoativos

10 mil bitcoins da falida exchange Mt.Gox são movidos após 7 anos

Um endereço Bitcoin vinculado à falida exchange Mt.Gox movimentou 10 mil bitcoins após 7 anos de inatividade.

Um relatório da Chainalysis sugeriu que o movimento dos fundos foi realizado pelos controladores da exchange BTC-e.

As autoridades dos EUA encerraram as operações da exchange em 2017 devido ao seu papel na lavagem de fundos, incluindo criptoativos roubados no hack da exchange Mt. Gox em 2014.

O BTC-e e outra bolsa chamada WEX, enviaram pequenas quantias de bitcoin para uma plataforma de pagamentos eletrônicos russa – Webmoney – em 26 de outubro.

Mais de duas semanas depois, o BTC-e realizou um teste de pagamento em sua carteira antes de transferir quase 100 bitcoins indiretamente para uma exchange em 21 de novembro.

De acordo com a empresa de análise de blockchain, cerca de 9.950 BTC estão atualmente sendo mantidos em carteiras pessoais.

Descobriu-se que o restante dos fundos foi transferido por meio de uma série de intermediários para quatro endereços de depósito em duas grandes bolsas.

A Chainalysis acredita que uma bolsa russa pode ter agido como intermediária para lavar esse dinheiro do BTC-e.

O cofundador e CEO da empresa de análise de blockchain CryptoQuant, Ki Young Ju, também confirmou a transferência ilícita de fundos. Ele também acrescentou que 65 BTC foram transferidos para a HitBTC e aconselhou a exchange a suspender a conta.

“10.000 $BTC de 7 anos se moveu hoje. Nenhuma surpresa, é de criminosos, como a maioria dos antigos bitcoins. É a carteira de câmbio BTC-e relacionada ao hack Mt. Gox de 2014. Eles enviaram 65 BTC para @hitbtc algumas horas atrás, então não é um leilão do governo ou algo assim.”

O BTC-e foi fechado e seus fundos foram apreendidos pelo Federal Bureau of Investigation (FBI) em 2017.

Alexander Vinnik é acusado de ser o proprietário e operador do BTC-e. O cidadão russo também é acusado de lavagem de dinheiro em grande escala por meio da extinta plataforma de negociação e outros crimes.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo