Bitcoin

Paraguai deve começar a minerar Bitcoin (BTC) com energia desperdiçada em Itaipu e usinas

O Senado do Paraguai enviou um projeto de lei para aprovação do presidente que busca permitir que a energia elétrica excedente do país seja utilizada para a mineração de Bitcoin (BTC) e criptoativos.

Além disso, o projeto também reduzirá a zero o Imposto sobre Valor Agregado para a atividade, fatores que podem tornar o Paraguai um centro global para a mineração de Bitcoin, atividade fundamental para o funcionamento do dinheiro da internet.

Cerca de 85% da energia elétrica produzida no país vem das barragens de Usina e Itaipu, que são operadas pela empresa estatal ANDE. De acordo com o projeto, a estatal será a responsável por determinar e precificar quanta energia será direcionada para os mineradores.

O Ministro de Tecnologia, Informação e Comunicação do Paraguai, Fernando Silva Facetti, comentou em seu Twitter:

“A ANDE definirá as condições técnicas e comerciais para a conexão e estabelecerá uma tarifa especial de energia elétrica que não poderá ultrapassar 15% acima da tarifa industrial.”

Benefícios para o país

A mineração de Bitcoin está se tornando uma atividade indissociável da produção de energia. Muitas usinas e empresas que lidam com recursos energéticos estão começando a se integrar ao criptoativo.

Como relatamos anteriormente, a mineração de Bitcoin está sendo responsável por tornar mais barata a energia elétrica do Texas. Através da mineração, as usinas podem direcionar o seus recursos energéticos excedentes para a atividade.

Dessa forma, as produtoras elétricas conseguem monetizar a sua atividade com uma nova fonte de renda.

Mais recentemente, várias petroleiras e exploradoras de gás natural, como a Exxonmobil, a maior empresa de exploração de petróleo dos EUA, começou a direcionar parte dos seus recursos para a mineração.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo