BitcoinEconomia

Bitcoin é “onde os parasitas não tem controle”, afirma Guilherme Rennó

Guilherme Rennó, fundador da Criptomaniacos, fez recentemente comentários sobre o sistema financeiro tradicional, a inflação e o Bitcoin (BTC), que descreveu como uma rede “onde os parasitas não têm controle”.

Veja o vídeo completo no final do texto.

Guilherme apontou as fragilidades do sistema financeiro atual, que necessitam da confiança em pessoas e instituições. Como destacado, muitas vezes a tomada de decisões importantes são direcionadas para indivíduos completamente incompetentes e com capacidade intelectual, moral ou técnica limitadas.

“Muitas vezes esses caras que tem o poder supremo, eles são completamente malucos. Eles não entendem de economia, não entendem de lógica, não entendem de absolutamente nada e você vai sofrer as consequências disso.”

Para exemplificar, Rennó comentou sobre um tweet que a Criptomaniacos havia feito há alguns dias, sobre uma suposta solução encontrada por um político para combater a inflação.

A solução proposta pelo governador da Califórnia é em si uma contradição em termos, visto que imprimir dinheiro desvaloriza a moeda e causa ainda mais inflação.

“De repente ele faz algo que vai piorar a inflação, mas ele diz que isso vai melhorar a inflação. […] E quem vai sofrer as consequências disso são obviamente as pessoas.”

Por fim, o analista apontou sobre a imutabilidade de certos aspectos do Bitcoin (BTC), definidos pelo Consenso Nakamoto, como a existência de uma oferta fixa e inelástica do criptoativo.

“Vocês entendem o motivo da gente precisar migrar para um sistema descentralizado? Migrar para o Bitcoin? Onde esses parasitas não tem controle. Onde as regras do jogo não mudam. Só existem 21 milhões de unidades de bitcoin, e ninguém consegue alterar isso.”

Estamos no Facebook, Twitter e Instagram.

Leia mais:

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo