Bitcoin

Pai e filho que vendiam maconha por bitcoin no Starbucks são presos por sonegação

Pai e filho foram condenados a 5 anos de prisão no estado de Washington pela venda ilegal de maconha –cannabis sativa– e por lavagem dinheiro envolvendo Bitcoin (BTC) em um esquema avaliado em mais de US$ 13 milhões.

A investigação começou pelos rastros deixados por Kenneth Warren Rule, de 28 anos, que lavou milhões em bitcoin por meio de uma exchange não licenciada desde 2018.

A prisão de Warren ocorreu quando ele se encontrou com o agente disfarçado no Starbucks, onde ele costumava fazer os seus negócios. Ao realizar a troca de US$ 142 mil em bitcoin por dólares em espécie e depois de ensinar o agente sobre lavagem de dinheiro, Warren foi preso no local.

Após se aprofundarem na investigação, descobriu-se o envolvimento de Warren e de seu pai, de 47 anos, com a venda de maconha e produtos relacionados, como haxixe.

É importante ressaltar que a venda da planta é permitida no estado de Washington, porém a dupla dinâmica não pagou nenhum imposto com os lucros da atividade, que estima-se que tenha movimentado em torno de US$ 13 milhões.

Segundo relatado, a dupla comercializava grandes quantidades de maconha através de marketplaces na darweb.

Darkmarkets e o Bitcoin

Um dos primeiros serviços a utilizar o Bitcoin como forma de pagamento foi o Silk Road, o primeiro dark market moderno. O mercado chegou a movimentar milhões de dólares e dezenas de milhares de bitcoins.

O fundador do Silk Road, Ross William Ulbricht, permanece em um presídio de segurança máxima nos EUA condenando a duas sentenças de prisão perpétua.

Devido a sua fungibilidade e características de pseudoanonimato, o bitcoin segue como uma alternativa líquida e estável para mercados negros e cinzas.

João Souza

Chefe de conteúdo, analista de SEO e empreendedor. [email protected]

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo