BitcoinEconomiaMundo

Ex-Presidente do PayPal elogia Proof-of-Work

David Marcus, ex-presidente do Paypal, supervisor de desenvolvimento do Facebook Messenger, ex-membro do conselho da Coinbase e co-fundador do projeto Libra (atual Diem), afirma que o uso do Proof-of-Work (Prova de Trabalho) é essencial para as empresas de energia.

Passando por empresas como PayPal, Facebook e Coinbase, hoje David Marcus se dedica ao Lightspark, um projeto com o objetivo de explorar as potencialidades e possibilidades oferecidas pela rede Lightning Network do Bitcoin

“Uma das coisas que a maioria das pessoas não sabe sobre produção, consumo e armazenamento de energia é que a grande maioria da energia produzida deve ser consumida ou será perdida. A prova de trabalho é um grande trunfo para as empresas de energia que podem passar pelo FUD.”

A grande crítica feita ao consumo de energia do Bitcoin advém de apontar o modelo de validação de Prova de Trabalho como responsável por um gasto desnecessário. Recentemente, a campanha “Change The Code, Not The Climate”, liderada pelo Greenpeace, defendia a mudança do modelo de PoW para um modelo de Proof-of-Stake (Prova de Participação) no protocolo do Bitcoin. 

O modelo de Proof-of-Stake, ao contrário do PoW, não valida as transações da rede através de energia elétrica, o ponto de contato do Bitcoin com o mundo real. Do contrário, toda a validação se dá através do stake, ou seja, quanto mais unidades da moeda um indivíduo possui, maior será sua capacidade de validar os blocos.

Ao contrário de blockchains que utilizam PoS, no Bitcoin, a quantidade de moedas que um indivíduo possui não lhe dá nenhum poder a mais sobre a rede. Portanto, sua descentralização é garantida justamente pela distribuição de poder computacional entre os mineradores.

A janela de oportunidade que a mineração do Bitcoin abre para o meio-ambiente está no fato de que muito da energia que é desperdiçada ganha um destino com o BTC

Muito da produção de energia acaba sendo jogada fora quando não consumida imediatamente, principalmente quando estamos lidando com formas de energia intermitente.

Sendo assim, uma das maneiras de viabilizar essas formas de energia é através da mineração intermitente, que absorve os excessos da produção, evitando que seja perdida.

Já tem se tornado prática comum na indústria do petróleo ou gás natural o uso do “gás flare”, subproduto da extração desperdiçado, para a mineração do bitcoin.

Igor Sobrinho

Calvinista, capixaba, amante de artes, de comunicação e da computação. Cypherpunk e bitcoinheiro, passeio com meu cachorro nas horas vagas, amo minha esposa.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo